31/05/2017

Fátima: Centenário - Música


Centenário das aparições da Santíssima Virgem em Fátima

Louvando a Santíssima Virgem - Roberto Carlos (em Jerusalém)




Neste mês de Maio a ti excelsa Mãe de Deus e nossa Mãe, te repetiremos sem cessar:

Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum, benedicta tu in mullieribus et benedictus fructis ventris tui, Jesus.













Santa Maria, Mater Dei, ora pro nobis pecatoribus, nunc et in hora mortis nostra. Ámen.

Nossa Senhora e o mês de Maio




Fátima: Centenário - Oração diária


Senhora de Fátima:

Neste ano do Centenário da tua vinda ao nosso País, cheios de confiança vimos pedir-te que continues a olhar com maternal cuidado por todos os portugueses.
No íntimo dos nossos corações instala-se alguma apreensão e incerteza em relação a este nosso País.

Sabes bem que nos referimos às diferenças de opinião que se transformam em desavenças, desunião e afastamento; aos casais desfeitos com todas as graves consequências; à falta de fé e de prática da fé; ao excessivo apego a coisas passageiras deixando de lado o essencial; aos respeitos humanos que se traduzem em indiferença e falta de coragem para arrepiar caminho; às doenças graves que se arrastam e causam tanto sofrimento.
Faz com que todos, sem excepção, nos comportemos como autênticos filhos teus e com a sinceridade, o espírito de compreensão e a humildade necessárias para, com respeito de uns pelos outros, sermos, de facto, unidos na Fé, santos e exemplo para o mundo.

Que nenhum de nós se perca para a salvação eterna.

Como Paulo VI, aqui mesmo em 1967, te repetimos:

Monstra te esse Matrem”, Mostra que és Mãe.

Isto te pedimos, invocando, uma vez mais, ao teu Dulcíssimo Coração, a tua protecção e amparo.


AMA, Fevereiro, 2017

Fátima: Centenário - Oração jubilar de consagração


Salve, Mãe do Senhor,
Virgem Maria, Rainha do Rosário de Fátima!
Bendita entre todas as mulheres,
és a imagem da Igreja vestida da luz pascal,
és a honra do nosso povo,
és o triunfo sobre a marca do mal.

Profecia do Amor misericordioso do Pai,
Mestra do Anúncio da Boa-Nova do Filho,
Sinal do Fogo ardente do Espírito Santo,
ensina-nos, neste vale de alegrias e dores,
as verdades eternas que o Pai revela aos pequeninos.

Mostra-nos a força do teu manto protector.
No teu Imaculado Coração,
sê o refúgio dos pecadores
e o caminho que conduz até Deus.

Unido/a aos meus irmãos,
na Fé, na Esperança e no Amor,
a ti me entrego.
Unido/a aos meus irmãos, por ti, a Deus me consagro,
ó Virgem do Rosário de Fátima.

E, enfim, envolvido/a na Luz que das tuas mãos nos vem,
darei glória ao Senhor pelos séculos dos séculos.


Ámen.

Evangelho e comentário


Tempo de Páscoa

Visitação de Nossa Senhora

Evangelho: Lc 1, 39-56

39Por aqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se à pressa para a montanha, a uma cidade da Judeia. 40Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Então, erguendo a voz, exclamou: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. 43E donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor? 44Pois, logo que chegou aos meus ouvidos a tua saudação, o menino saltou de alegria no meu seio. 45Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que te foi dito da parte do Senhor.» 46Maria disse, então: «A minha alma glorifica o Senhor 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador. 48Porque pôs os olhos na humildade da sua serva. De hoje em diante, me chamarão bem-aventurada todas as gerações. 49O Todo-poderoso fez em mim maravilhas. Santo é o seu nome. 50A sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem. 51Manifestou o poder do seu braço e dispersou os soberbos. 52Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes. 53Aos famintos encheu de bens e aos ricos despediu de mãos vazias. 54Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, 55como tinha prometido a nossos pais, a Abraão e à sua descendência, para sempre.» 56Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois regressou a sua casa.

Comentário:

Este é um Evangelho onde pela primeira vez aparece bem marcada a acção do Espírito Santo

O conhecimento de Santa Isabel sobre a Santíssima Virgem, a "agitação" do menino no seio de sua mãe, o Magnificat que irrompe espontaneamente dos lábios da Virgem Santíssima.

Estão presentes nesta cena entranhável as Duas Pessoas da Santíssima Trindade que a partir daqueles momentos acompanharão para sempre a humanidade:

O Jesus Cristo que vem redimir e salvar e O Paráclito que ficará para consolidar na Fé a mesma humanidade.


(AMA, comentário sobre Lc 1,39-56, 31,6,2016)





Leitura espiritual

A CIDADE DE DEUS 

Vol. 2

LIVRO XIV

CAPÍTULO XXIII

Teria havido procriação no Paraíso mesmo que ninguém tivesse pecado? Teria lá a ordem da castidade lutado contra o ardor
libidinoso?

Quem disser que não se poderiam unir nem procriar se não tivessem pecado — que mais diz senão que o pecado foi necessário para aumentar o número dos santos? Com efeito, se tivessem ficado sós por não terem pecado (pois que, como julgam, sem o pecado não podiam procriar), com certeza que, para haver, não apenas dois juntos, mas uma multidão, o pecado foi necessário. Se isto é  um absurdo, deve-se antes pensar que o número dos santos preciso para encher a cidade bem-aventurada teria sido tão grande, se ninguém tivesse pecado, como o é agora que a graça de Deus o colhe da multidão dos pecadores, enquanto os filhos deste século vão procriando e sendo procriados.

Por isso as núpcias dignas da felicidade do Paraíso, se não tivesse havido o pecado, teriam gerado filhos dignos de amor e não teriam vergonha da volúpia (libido). Mas como poderia isso acontecer — não é possível mostrá-lo agora com um exemplo. Não deve, todavia, parecer incrível que só este órgão teria podia obedecer sem a volúpia à vontade à qual tantos órgãos obedecem agora. Não movemos nós as mãos e os pés, quando querem os, para os actos que se devem realizar com estes membros, sem qualquer resistência, com tão grande facilidade com o que nós admiramos tanto em nós com o nos outros, principalmente nos artífices de qualquer trabalho corporal em que a mais ágil perícia auxilia a natureza mais tarda e mais débil? E não poderem os crer que, para a obra da geração dos filhos, se não houvesse volúpia (que é o salário do pecado da desobediência), estes órgãos, tais como os outros, poderiam obedecer ao homem a um sinal da vontade? Ao tratar da diferença de governos no seu livro De republica (Da República) e ao utilizar uma imagem da natureza humana, não disse Cícero que se dão ordens aos membros do corpo como, devido à sua facilidade em obedecer, se dão ordens às crianças 
— mas que as partes viciosas da alma, essas devem ser constrangidas como escravos a uma sujeição mais dura?

Na ordem natural a alma sobrepõe-se ao corpo; todavia, a alma tem mais fácil domínio sobre o corpo do que sobre si própria. Todavia, esta paixão libidinosa, de que agora estamos a tratar, excita a vergonha tanto mais quanto mais o espírito

nem se mostra capaz de a si próprio se dominar eficazmente para se não deixar deleitar inteiram ente nessa paixão,
nem sobre o corpo tem pleno domínio para que seja precisamente a vontade (e não a paixão) a excitar as regiões vergonhosas: se assim fosse já nem seriam vergonhosas. O que agora é vergonhoso para a alma é a resistência que lhe opõe o corpo que, por sua natureza inferior, lhe está submetido. Quando, nas outras paixões, ele a si próprio resiste, fica menos sujeito à vergonha porque, quando é por si vencido, a si próprio vence. E certo que desordenada e viciosamente, já que a vitória vem das partes que devem estar submetidas à razão. Mas no fim de contas são partes suas e por isso, com o disse, é por si próprio vencido. Quando o espírito se vence ordenadamente, submetendo os movimentos irracionais à mente e a razão — contanto que, também esta, esteja submetida a Deus — então tudo é louvável e virtuoso. Mas o espirito envergonha-se menos quando a si não obedecem as suas partes viciosas do que quando o corpo, dele distinto e a ele inferior e que, por natureza, sem ele não era capaz de viver, não cede à sua vontade e aos seus comandos.

Mas quando o comando da vontade retém os outros membros, sem os quais os excitados contra essa vontade pela paixão libidinosa não podem alcançar o que desejam, guarda-se a castidade e não desaparece, embora não permitido, o prazer do pecado. No Paraíso as núpcias não
teriam esta oposição, esta repugnância, esta luta entre a vontade e a libido ou, pelo menos, esta deficiência da libido ao apelo da vontade, se a desobediência culpável não provocasse o castigo duma desobediência; esses membros obedeceriam, com o todos os outros, à vontade.
E desta forma o órgão para isso criado semearia o campo da geração como agora a mão do homem semeia a terra. O pudor impede-nos, mesmo que o quiséssemos, de tratar desta questão com mais cuidado e obriga-nos, por respeito aos ouvidos castos, a pedir escusa. Mas então nenhum motivo havia para tal e poder-se-ia falar livremente de tudo o que diz respeito a estes órgãos sem qualquer receio de obscenidade; não haveria mesmo palavras que pudessem qualificar-se de obscenas — mas tudo o que a este respeito se dissesse seria tão decente como se se tratasse de outras partes do corpo.

Quem quer que seja, portanto, que acolher estas palavras com impudica disposição, acuse-se a si próprio e não à natureza; condene a indecência dos seus actos e não as palavras de que temos necessidade. Um leitor ou ouvinte pudico e religioso me perdoa tais palavras facilmente quando refuto a infidelidade baseando a minha argumentação, não em crenças sem fundamento, mas na experiência dos sentidos. Lerá isto sem se escandalizar aquele que não receia ouvir o Apóstolo condenar o crime abominável das mulheres que

trocaram um uso natural por outro que é contra a natureza [i],


— tanto mais que, por agora, não mencionamos nem condenamos, como ele, um a obscenidade condenável, mas ao explicarmos, o melhor que nos foi possível, os efeitos da procriação humana, evitamos, como ele, as frases obscenas.


(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)





[i] Rom., I, 26.

Doutrina – 316


CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA

Compêndio


PRIMEIRA PARTE: A PROFISSÃO DA FÉ

SEGUNDA SECÇÃO: A PROFISSÃO DA FÉ CRISTÃ

CAPÍTULO SEGUNDO

CREIO EM JESUS CRISTO, O FILHO UNIGÉNITO DE DEUS
«E EM JESUS CRISTO, SEU ÚNICO FILHO, NOSSO SENHOR»
«JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA»

95. «…Nascido da Virgem Maria»: porque é que Maria é verdadeiramente Mãe de Deus?

Maria é verdadeiramente Mãe de Deus porque é a mãe de Jesus [i]. Com efeito, Aquele que foi concebido por obra do Espírito Santo e que se tornou verdadeiramente Filho de Maria é o Filho eterno de Deus Pai. É Ele mesmo Deus.




[i] Jo 2,1; 19,25

Epístolas de São Paulo – 92

Carta a Filémon - cap 1

Apresentação e saudação

- 1Paulo, prisioneiro por causa de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, a Filémon, nosso querido colaborador, 2à irmã Ápia, a Arquipo, nosso companheiro de luta, e à igreja que se reúne em tua casa: 3a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo!

Acção de graças

- 4Dou graças ao meu Deus, lembrando-me sempre de ti nas minhas orações, 5por ouvir falar do teu amor e da tua fé: fé no Senhor Jesus e amor para com todos os santos. 6Que a tua comunhão de fé se torne eficaz, no reconhecimento de tudo aquilo que entre nós é considerado bom em relação a Cristo. 7De facto, foi grande a alegria e a consolação que tive com o teu amor, porque os corações dos santos foram reconfortados por meio de ti, irmão.

Pedido a respeito de Onésimo

- 8Por isso, embora tenha toda a autoridade em Cristo para te impor o que mais convém, 9levado pelo amor, prefiro pedir como aquele que sou: Paulo, um ancião e, agora, até prisioneiro por causa de Cristo Jesus. 10Peço-te pelo meu filho, que gerei na prisão: Onésimo, 11que outrora te era inútil, mas agora é, para ti e para mim, bem útil. 12É ele que eu te envio: ele, isto é, o meu próprio coração. 13Eu bem desejava mantê-lo junto de mim, para, em vez de ti, se colocar ao meu serviço nas prisões que sofro por causa do evangelho. 14Porém, nada quero fazer sem o teu consentimento, para que o bem que fazes não seja por obrigação, mas de livre vontade. 15É que, afinal, talvez tenha sido por isto que ele foi afastado por breve tempo: para que o recebas para sempre, 16não já como escravo, mas muito mais do que um escravo: como irmão querido; isto especialmente para mim, quanto mais para ti, que com ele estás relacionado tanto humanamente como no Senhor. 17Se, pois, me consideras em comunhão contigo, recebe-o como a mim próprio. 18E se ele te causou algum prejuízo ou alguma coisa te deve, põe isso na minha conta. 19Sou eu, Paulo, que o escrevo pela minha própria mão: serei eu a pagar. Isto, para não te dizer que me deves a tua própria pessoa. 20Sim, irmão, possa eu sentir-me satisfeito contigo no Senhor: reconforta o meu coração em Cristo. 21Escrevo-te porque confio na tua obediência: sei que até farás mais do que aquilo que digo. 22Mas, ao mesmo tempo, prepara também alojamento para mim, pois espero, graças às vossas orações, poder brevemente ser entregue a vós.

Saudações e bênção


- 23Saúdam-te Epafras, meu companheiro de prisão em Cristo Jesus, 24assim como Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus colaboradores. 25A graça do Senhor Jesus Cristo esteja convosco.

Pequena agenda do cristão


Quarta-Feira



(Coisas muito simples, curtas, objectivas)






Propósito:

Simplicidade e modéstia.


Senhor, ajuda-me a ser simples, a despir-me da minha “importância”, a ser contido no meu comportamento e nos meus desejos, deixando-me de quimeras e sonhos de grandeza e proeminência.


Lembrar-me:
Do meu Anjo da Guarda.


Senhor, ajuda-me a lembrar-me do meu Anjo da Guarda, que eu não despreze companhia tão excelente. Ele está sempre a meu lado, vela por mim, alegra-se com as minhas alegrias e entristece-se com as minhas faltas.

Anjo da minha Guarda, perdoa-me a falta de correspondência ao teu interesse e protecção, a tua disponibilidade permanente. Perdoa-me ser tão mesquinho na retribuição de tantos favores recebidos.

Pequeno exame:

Cumpri o propósito que me propus ontem?







30/05/2017

Nota pessoal de António Mexia Alves


Sou o único autor e administrador de NUNC COEPI que é – de há uns anos para cá – o meu único trabalho.
A ele dedico o melhor do meu esforço numa média de 5/7 horas de trabalho diário.

NUNC COEPI tem – e terá - unicamente fins apostólicos e, por isso, tendo como referência as palavras de Jesus:

«O trabalhador merece o seu sustento» [i]

e sendo a minha situação pessoal difícil em termos económicos, resolvi, sem qualquer hesitação ou prurido publicar esta nota.

Preciso realmente de ajuda e por isso apelo aos leitores de NUNC COEPI que colaborem com essa ajuda que se destina, naturalmente, às despesas correntes como internet, livros, newsletters, etc., indispensáveis para esse mesmo trabalho.

Qualquer quantia constituirá inestimável contributo.

Se decidir contribuir, agradeço o favor de enviar para o meu mail pessoal – ontiano@gmail.com – a indicação que deseja contribuir e, em resposta, indicarei o IBAN da conta para onde poderá fazer a respectiva transferência

Desde já, muito obrigado e a minha garantia de que NUNC COEPI continuará com as suas publicações diárias, assim Deus me ajude e ilumine.




Respostas até à data de hoje: 2 

Renovo, portanto, o meu apelo já que a situação se mantém delicada.



António Mexia Alves

Fátima: Centenário - Oração diária


Senhora de Fátima:

Neste ano do Centenário da tua vinda ao nosso País, cheios de confiança vimos pedir-te que continues a olhar com maternal cuidado por todos os portugueses.
No íntimo dos nossos corações instala-se alguma apreensão e incerteza em relação a este nosso País.

Sabes bem que nos referimos às diferenças de opinião que se transformam em desavenças, desunião e afastamento; aos casais desfeitos com todas as graves consequências; à falta de fé e de prática da fé; ao excessivo apego a coisas passageiras deixando de lado o essencial; aos respeitos humanos que se traduzem em indiferença e falta de coragem para arrepiar caminho; às doenças graves que se arrastam e causam tanto sofrimento.
Faz com que todos, sem excepção, nos comportemos como autênticos filhos teus e com a sinceridade, o espírito de compreensão e a humildade necessárias para, com respeito de uns pelos outros, sermos, de facto, unidos na Fé, santos e exemplo para o mundo.

Que nenhum de nós se perca para a salvação eterna.

Como Paulo VI, aqui mesmo em 1967, te repetimos:

Monstra te esse Matrem”, Mostra que és Mãe.

Isto te pedimos, invocando, uma vez mais, ao teu Dulcíssimo Coração, a tua protecção e amparo.


AMA, Fevereiro, 2017

Fátima: Centenário - Oração jubilar de consagração


Salve, Mãe do Senhor,
Virgem Maria, Rainha do Rosário de Fátima!
Bendita entre todas as mulheres,
és a imagem da Igreja vestida da luz pascal,
és a honra do nosso povo,
és o triunfo sobre a marca do mal.

Profecia do Amor misericordioso do Pai,
Mestra do Anúncio da Boa-Nova do Filho,
Sinal do Fogo ardente do Espírito Santo,
ensina-nos, neste vale de alegrias e dores,
as verdades eternas que o Pai revela aos pequeninos.

Mostra-nos a força do teu manto protector.
No teu Imaculado Coração,
sê o refúgio dos pecadores
e o caminho que conduz até Deus.

Unido/a aos meus irmãos,
na Fé, na Esperança e no Amor,
a ti me entrego.
Unido/a aos meus irmãos, por ti, a Deus me consagro,
ó Virgem do Rosário de Fátima.

E, enfim, envolvido/a na Luz que das tuas mãos nos vem,
darei glória ao Senhor pelos séculos dos séculos.


Ámen.

Leitura espiritual

A CIDADE DE DEUS 

Vol. 2

LIVRO XIV

CAPÍTULO XXII

Acerca da união conjugal desde as origens instituída e abençoada por Deus.

Nós é que não temos a menor dúvida de que, conforme a bênção de Deus, «crescer, multiplicar-se e encher a Terra» é um dom das núpcias que Deus instituiu desde o princípio, antes do pecado do homem, quando os criou homem e mulher, diferença de sexo que ficou bem patente na carne. Efectivamente, foi logo após esta obra de Deus que se seguiu a sua bênção.

Na verdade, quando a Escritura disse:

Fê-los homem e mulher [i],

acrescentou imediatamente:

E Deus abençoou-os dizendo: Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e dominai-a, etc.
[ii].

Tudo isto se poderia reportar sem inconveniente a um sentido espiritual, mas as palavras «homem» (masculus) e «mulher» (femina) não se podem entender como qualquer coisa de semelhante a um só homem, com o se nele uma fosse a parte que com anda e a outra a que é comandada.

Mostra-se com toda a evidência que foram criados «homem» e «mulher», com corpos de sexo diferente para que, gerando filhos, «crescessem, se multiplicassem e enchessem a Terra»: negá-lo seria um grande absurdo.

Não é de um espírito que com anda nem duma carne que obedece que se trata, nem dum a alma racional que governa e dum desejo irracional que é governado, nem duma virtude contemplativa que domina e duma virtude activa que se submete, nem do intelecto da mente e do  sentido do corpo: trata-se sim, e bem claramente, do vínculo conjugal pelo qual os dois sexos se unem um ao outro e a propósito do qual o Senhor foi interrogado se era permitido repudiar a mulher por qualquer causa

— pois que Moisés, por causa da dureza de coração dos Israelitas, permitiu que se passasse um bilhete (libellus) de repúdio.

Mas ele respondeu:

Não lestes que, quem no princípio os fez, homem e mulher os fez e disse: Por causa disso deixará o homem pai e mãe e unir-se-á à sua esposa, e serão dois numa só came? É que já não são dois, mas uma só carne. Pois então não separe o homem o que Deus uniu [iii].

E, portanto, certo que eles foram instituídos «homem e mulher» desde o princípio, com o vemos e reconhecemos agora os homens em dois sexos diferenciados. E quando se diz que são um só, isso se diz por causa da sua união ou então por causa da origem da mulher criada do «lado» do «homem» (masculus). Por isto o Apóstolo, devido a este primeiro exemplo que o próprio Deus propôs, exorta cada um em particular a que os varões amem as suas esposas.



(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)




[i] Gén., I, 27.
[ii] Gen., I, 27-28.
[iii] Mt., X IX, 4-6.

Hoy el reto de amor es estar unos minutos con Cristo.

SITUACIÓN INESPERADA

Somos 6 adolescentes que hemos ido este fin de semana a las Jornadas Monásticas de las Dominicas de Lerma.

Muchas de nosotras pensábamos que íbamos a pasar hambre, por lo que a algunas se les pasó por la cabeza traer suministros: hamburguesas, chocolate...

Para nuestra sorpresa, cuando llegamos nos encontramos con el Mercadona en la cocina, y hasta el suelo tembló de nuestros saltos de alegría al ver toda la comida que el Señor nos habia proveído, y es que Él es el que nos conoce y sabe lo que nos gusta.

Cuando llegó la hora de comer seguíamos siendo 6, y había comida para 20. Nos daba mucha pena dejar tanta comida, así que acabamos desayunando, almorzando, merendando y de más, macarrones y pizza.

La verdad es que hubo un momento en que sentimos que no podíamos con tanto aunque quisiéramos. Y cuántas veces empezamos un montón de cosas, actividades... con mucha ilusión, pero, a medida que pasa el tiempo, sentimos que se nos agotan las fuerzas. Algunas situaciones en la vida son demasiada carga para nosotros, sentimos que nos sobrepasa. Es entonces cuando necesitamos que el Señor nos ayude y, si sentimos que hemos llenado a tope la mochila de nuestro corazón, Cristo nos enseñará a vaciarla en sus manos. Él nos irá sanando para que nada nos aplaste y podamos seguir disfrutando de todo con ilusión.

Hoy el reto de amor es estar unos minutos con Cristo. Abre tu interior a Él, preséntale tus heridas, lo que te pesa, aquello que se te hace cuesta arriba... ¡Verás que Él te sana y te vacía la mochila para que puedas seguir caminando!


VIVE DE CRISTO

Epístolas de São Paulo – 91

Carta a Filémon

Pelo tema e pelo tom afectuoso, esta é certamente uma Carta autêntica de Paulo (v.19). Filémon era um cristão de elevada posição social, convertido por Paulo, e tinha como escravo um outro cristão, Onésimo. Este, tendo fugido ao seu senhor, refugiou-se junto de Paulo (v.10), que o refere em Cl 4,9 como «irmão fiel e querido». Este facto era motivo de graves penas civis, tanto para o escravo como para quem o acolhia.
Paulo, prescindindo da questão legal, envia-o ao seu senhor com o presente “bilhete” e pede a Filémon que acolha de novo, não como escravo, mas «como irmão querido» (v.16), um irmão na fé. Mais: como se fosse o próprio Paulo (v.17).

LUGAR
Pelo que é dito no v.1, a Carta terá sido escrita num dos cativeiros de Paulo (Roma, Éfeso ou Cesareia), nos últimos anos da sua vida (ver v.9-10.13.18). Os companheiros referidos aqui (v.23-24) são os mencionados em Cl 4,7-17.

DIVISÃO E CONTEÚDO
Esta tem a estrutura normal das Cartas de Paulo:
Apresentação e saudação: v.1-3;
Acção de graças: v.4-7;
Corpo da Carta: v.8-22;
Saudação final: v.23-25.

TEOLOGIA
Como noutras ocasiões em que trata a questão da escravatura, Paulo não se preocupa em mudar a estrutura social em vigor (1 Cor 7,20-24; Ef 6,5-9; Cl 3,22-4,1). O que ele faz é prescindir disso e deslocar o problema para a questão do amor fraterno, mais profunda que a questão legal em vigor, pois, em Cristo, «não há escravo nem livre» (Gl 3,28).
Daí em diante, Filémon deve tratar o (antigo) escravo Onésimo como irmão, porque Paulo está disposto a recompensá-lo monetariamente, isto é, a resgatar Onésimo.

Com isto, Paulo, embora não se oponha frontalmente à escravatura, tão-pouco a aprova; e afirma que o amor fraterno, centro do Evangelho de Cristo, é que levará à eliminação da escravatura.

Evangelho e comentário


Tempo de Páscoa


Evangelho: Jo 17, 1-11

1Assim falou Jesus. Depois, levantando os olhos ao céu, exclamou: «Pai, chegou a hora! Manifesta a glória do teu Filho, de modo que o Filho manifeste a tua glória, 2segundo o poder que lhe deste sobre toda a Humanidade, a fim de que dê a vida eterna a todos os que lhe entregaste. 3Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Tu enviaste. 4Eu manifestei a tua glória na Terra, levando a cabo a obra que me deste a realizar. 5E agora Tu, ó Pai, manifesta a minha glória junto de ti, aquela glória que Eu tinha junto de ti, antes de o mundo existir. 6Dei-te a conhecer aos homens que, do meio do mundo, me deste. Eles eram teus e Tu mos entregaste e têm guardado a tua palavra. 7Agora ficaram a saber que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois as palavras que me transmitiste Eu lhas tenho transmitido. Eles receberam-nas e reconheceram verdadeiramente que Eu vim de ti, e creram que Tu me enviaste. 9É por eles que Eu rogo. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me confiaste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu e o que é teu é meu; e neles se manifesta a minha glória.11Doravante já não estou no mundo, mas eles estão no mundo, e Eu vou para ti. Pai santo, Tu que a mim te deste, guarda-os em ti, para serem um só, como Nós somos!

Comentário:

As palavras para comentar este trecho do discurso de Jesus pecam por exíguas e mal conseguem exprimir quanto nos vai na alma.

Poderíamos dizer que é um discurso poderoso, final, definitivo - e sem dúvida que é - mas podemos adivinhar perfeitamente o estado de alma do Senhor quando o pronunciou.

Desta forma estas palavras soam-nos como um testamento cuidadosamente elaborado onde a principal preocupação é a felicidade futura dos herdeiros e o amor entranhado que lhes tem.

(AMA, comentário sobre Jo 17, 1-11, 2015.05.19)





Temas para meditar - 713


Amor e sofrimento

Há uma relação muito precisa entre a capacidade de amar e a capacidade de sofrer.

Quem não é capaz de sofrer não é capaz de amar.

Se os santos desejaram profundamente o sofrimento, é porque o seu amor por Cristo os levava a padecer com Ele.

Se nós não desejamos o sofrimento, ou procuramos escapar-Lhe, é porque ainda nos amamos excessivamente.

E talvez fosse muito útil examinarmos, de vez em quando, o estado do nosso amor à Cruz, para podermos apreciar o grau de amor de Deus encerrado nas nossas almas.

(FEDERICO SUAREZ, A Virgem Nossa Senhora, Éfeso 4ª Ed. nr. 274)

Reflectindo - 255

Sensações e outras experiências

Como não sou nem psicólogo nem "vidente", só posso abordar esta questão sob ponto de vista de homem de fé cristã.

Aquilo que algumas vezes sentimos - por vezes de forma tão real - são, para mim, manifestações Espírito Santo.

Ocorrem, quase sempre, em situações de grande "pressão" interior que os sentimentos, como por exemplo as saudades ou a solidão se tornam, por assim dizer, mais prementes, condicionam o espírito e, até, o comportamento.

E vêm as lágrimas, o sentimento de perda, alguma angústia.

Pode e deve resolver-se o assunto pedindo ajuda ao Espírito Santo.
A experiência própria diz-me que Ele não deixa de corresponder da forma que Ele achar mais conveniente.

Um sentimento, uma sensação de carícia, - algo espiritual ou físico - e tudo fica resolvido com um resultado que se traduz em paz e tranquilidade.

Repito, tenho experiência pessoal e nem me assusto, nem tenho dúvidas, nem me interrogo sob se são fenómenos metafísicos ou "paranormais"

Acredito no Espírito Santo e, sobretudo, agradeço.


(ama, reflexões, Carvide, 2016.10.28)


Intimidade com Nossa Senhora