11/04/2017

Fátima: Centenário - Poemas

MÃE DO BOM CONSELHO



Às vezes, neste mar de angústia e pranto,
no nosso peito ecoa a voz do mundo…
Como enleva e cativa em seu encanto
dessa voz de sereia o som jucundo!

Outras vezes ouvimos doce canto
que entoa a carne vil, o Inferno imundo,
tão de molde a prender até um santo
em seu enleio trágico e profundo.

Sobe então nosso espírito às alturas,
longe da terra, a regiões mais puras,
junto d’Aquela que é de Deus o espelho.

E a tentação vacila, afrouxa e passa,
pois desce à nossa mente a luz da Graça
das níveas mãos da MÃE DO BOM CONSELHO!

Visconde de Montelo, Paráfrase da Ladainha Lauretana, 1956 [i]




[i] Cónego Manuel Nunes Formigão
1883 - Manuel Nunes Formigão nasce em Tomar, a 1 de Janeiro. 1908 - É ordenado presbítero a 4 de Abril em Roma. 1909 - É laureado em Teologia e Direito Canónico pela Universidade Gregoriana de Roma. 1909 - No Santuário de Lourdes, compromete-se a divulgar a devoção mariana em Portugal. 1917 - Nossa Senhora aceita o seu compromisso e ele entrega-se à causa de Fátima. 1917 / 1919 - Interroga, acompanha e apoia com carinho os Pastorinhos. - Jacinta deixa-lhe uma mensagem de Nossa senhora, ao morrer. 1921 - Escreve o livro: "Os Episódios Maravilhosos de Fátima". 1922 - Integra a comissão do processo canónico de investigação às aparições. 1922 - Colabora e põe de pé o periódico "Voz de Fátima". 1924 - A sua experiência de servita de Nossa Senhora em Lurdes, leva-o a implementar idêntica actividade em Fátima. 1928 - Escreve a obra mais importante: "As Grandes Maravilhas de Fátima". 1928 - Assiste à primeira profissão religiosa da Irmã Lúcia, em Tuy. Ela comunica-lhe a devoção dos primeiros sábados e pede-lhe que a divulgue. 1930 - Escreve "Fátima, o Paraíso na Terra". 1931 - Escreve "A Pérola de Portugal". 1936 - Escreve " Fé e Pátria". 1937 - Funda a revista "Stella". 1940 - Funda o jornal "Mensageiro de Bragança". 1943 - Funda o Almanaque de Nossa Senhora de Fátima. 1954 – Muda-se para Fátima a pedido do bispo de Leiria-Fátima 1956 - Escreve sonetos compilados na "Ladainha Lauretana". 1958 – Morre em Fátima. 06/01/1926 - Funda a congregação das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores de Fátima. 11/04/1949 – A congregação por ele fundada é reconhecida por direito diocesano. 22/08/1949 – Primeiras profissões canónicas das Religiosas. 16/11/2000 - A Conferência Episcopal Portuguesa concede a anuência por unanimidade, para a introdução da causa de beatificação e canonização deste apóstolo de Fátima. 15/09/2001 - Festa de Nossa Senhora das Dores, padroeira da congregação - É oficialmente aberto o processo de canonização do padre Formigão. 16/04/2005 – É oficialmente encerrado e lacrado o processso de canonização do padre Formigão.
Fátima, 28 Jan 2017 (Ecclesia) – Decorreu hoje a cerimónia de trasladação dos restos mortais do padre Manuel Nunes Formigão, conhecido como 'o apóstolo de Fátima, do cemitério local para um mausoléu construído na Casa de Nossa Senhora das Dores.
A celebração de trasladação deste sacerdote e servo de Deus começou com uma concentração, rua Francisco Marto, 203, com centenas de pessoas, seguida de saída para o cemitério da Freguesia de Fátima.
Na eucaristia inserida neste evento, na Basílica da Santíssima Trindade, do Santuário de Fátima, D. António Marto destacou uma figura que "se rendeu ao mistério e à revelação do amor de Deus, da beleza da sua santidade tal como brilhou aos pastorinhos de Fátima".
O bispo de Leiria-Fátima recordou ainda o padre Manuel Formigão como alguém que "captou de uma maneira admirável para o seu tempo, a dimensão reparadora da vivência da fé tão sublinhada na mensagem de Fátima".

Nota de AMA:
Este livro de Sonetos foi por sua expressa vontade, depois da sua morte, devidamente autografado, entregue a meu Pai. Guardo o exemplar como autêntica relíquia.

Fátima: Centenário - Oração diária


Senhora de Fátima:

Neste ano do Centenário da tua vinda ao nosso País, cheios de confiança vimos pedir-te que continues a olhar com maternal cuidado por todos os portugueses.
No íntimo dos nossos corações instala-se alguma apreensão e incerteza em relação a este nosso País.

Sabes bem que nos referimos às diferenças de opinião que se transformam em desavenças, desunião e afastamento; aos casais desfeitos com todas as graves consequências; à falta de fé e de prática da fé; ao excessivo apego a coisas passageiras deixando de lado o essencial; aos respeitos humanos que se traduzem em indiferença e falta de coragem para arrepiar caminho; às doenças graves que se arrastam e causam tanto sofrimento.
Faz com que todos, sem excepção, nos comportemos como autênticos filhos teus e com a sinceridade, o espírito de compreensão e a humildade necessárias para, com respeito de uns pelos outros, sermos, de facto, unidos na Fé, santos e exemplo para o mundo.

Que nenhum de nós se perca para a salvação eterna.

Como Paulo VI, aqui mesmo em 1967, te repetimos:

Monstra te esse Matrem”, Mostra que és Mãe.

Isto te pedimos, invocando, uma vez mais, ao teu Dulcíssimo Coração, a tua protecção e amparo.


AMA, Fevereiro, 2017

Hoy el reto del amor es levantar la mirada al cielo y darle gracias al Señor

CON CRISTO NUNCA PIERDO: O GANO, O APRENDO

El otro día estaba trabajando en la sala y, de pronto, vi que Sión le quitaba al angel la espada que tiene en la mano (que es la mía, de las competiciones de esgrima). Luego vi que cogía mi rosario y, por último, una rosa blanca. Acto seguido se puso en el suelo a hacer fotos y, al rato, vino con una imagen en la que salen la espada, el rosario y la rosa, acompañados de una frase que dice: "Con Cristo nunca pierdo: o gano, o aprendo".

-Lety, quiero regalarte esta imagen porque es lo que tantas veces te veo hacer y es lo que me enseñas: que con Él todo lo puedo.

Le di un abrazo y se marchó. Pero yo me fui al Oratorio a darle gracias al Señor por Sión, por su vocación, por haberle regalado plasmar en una foto todo un plan de vida.

Y es verdad, y estoy convencida: cuando tienes a Cristo en tu vida, todo tiene sentido. Puedes pasar por mil pruebas: de enfermedad, de malentendidos con personas, de... en definitiva, lo que la vida trae consigo y que, dependiendo desde qué lado lo mires, tiene un sentido u otro.

La vida nos trae cosas que no nos gustan y otras que son geniales; pues en todas las circunstancias, en todo, está Él, y con Cristo nunca pierdes: o ganas, o aprendes. En cuántos momentos del sufrimiento aprendes un montón: a veces te toca vivir una situación con una persona que no entiendes, que te hace sufrir... Pero, al vivirlo con Cristo, siempre aprendes cosas nuevas, sobre todo, a no dejar nunca de amar, y a dejarle a Él ir por delante de ti.

Hoy el reto del amor es levantar la mirada al cielo y darle gracias al Señor porque siempre te libra de los peligros y te da su amor. Hoy reza con esta frase: "Con Cristo nunca pierdo: o gano, o aprendo".


VIVE DE CRISTO

Más de un millón de peruanos contra la ideología de género en las escuelas: marchan en todo el país.

Cientos de miles de peruanos, más de un millón de personas en todo el país según los convocantes, se han manifestado este sábado (04.03) en diversas ciudades en contra de la ideología de género que la ministra de Educación, Marilú Martens, y el presidente Pedro Pablo Kuczynski quieren imponer en las escuelas.

Es la segunda convocatoria multitudinaria en Perú contra esta ideología y al finalizar el acto en Lima se convocó a otra marcha más para el 25 de marzo, que es además el Día del Niño por Nacer y los actos tienen un carácter provida.

Con el lema "Con mis hijos no te metas" se manifestaron ciudadanos y padres de familia en Arequipa, Huancavelica, Pucallpa, Tacna, Trujillo, Tarapoto y muchas otras poblaciones, además de la gran marcha de Lima, en la que cuatro manifestaciones simultáneas convergieron en la Plaza San Martín, Lima, cerca de las 19:00 horas.

Acto multitudinario en Lima
En Lima, la marcha dio inicio a las 14 horas desde cuatro puntos: la plaza de Acho, en el distrito del Rímac; Parque del Trabajo, en San Martín de Porres; coliseo Amauta, en Breña, y el parque Mariscal Castilla, en Lince.

El ex viceministro de Educación, Idel Vexler, pidió a la ministra de Educación, Marilú Martens, retirar el término "identidad de género" del Currículo Nacional porque se presta a confusiones y "podría entenderse como una posibilidad de orientación a una postura homosexual".
La ministra de Educación por lo general se limita a responder a las acusaciones que el currículo "no enseña homosexualidad" y sugiere que los que protestan son homófobos, pero las asociaciones profamilia con facilidad señalan los materiales que se promocionan a favor de las prácticas homosexuales y conceptos de la ideología de género (aquí, por ejemplo, Beatriz Mejías, una de las líderes pro-familia, señala un cuento con textos lésbicos en el currículo escolar).

La marcha en Lima contó con muchos discursos, entre los que destacó el del periodista Phillip Butters, que mencionó a políticos con nombres y apellidos y pidió al presidente Pedro Pablo Kuczynski que expulse (bote) a la ministra por mentir.

"No con nuestros impuestos"
"Si el señor Pedro Pablo Kuczynski con su plata quiere hacer lo que sea que lo haga, pero no con mi plata, no con tu plata de tus impuestos. Pero si es el primer responsable de que Marilú Martens no sea despedida, porque tienen que botar a la ministra, a la ministra mentirosa hay que botarla. En esto no se debe pactar, la tienen que despedir, que la boten como botaron a Jaime Saavedra que es otro mentiroso", dijo Butters.

El periodista denunció que en el currículo se habla de "niños gays" en los colegios: "Esa es la ideología de género, porque, para que un niño de hasta 16 años sea trans, tiene que tener un problema gravísimo de identidad sexual". Butters criticó también a la líder de Fuerza Popular, Keiko Fujimori, derrotada en las pasadas elecciones presidenciales, por no acudir a la marcha y le recordó que ella sí puede forzar la salida de la ministra de Educación. "Hay otra responsable que está callada y no ha dicho nada y no ha venido, que tiene dos hijas, se llama Keiko Fujimori. Ella tiene como botar a la ministra, y la pueden interpelar, y la pueden botar y la deben botar por mentirosa y falsa", insistió.

También denunció que el presidente no atienda a las protestas. "Estamos a tres cuadras de Palacio de Gobierno, le pueden avisar a Kuczynski que no se meta con sus hijos porque debe estar haciendo su siesta el señor", finalizó.

Finalmente el periodista criticó a los medios de comunicación que no han trasmitido en vivo la marcha denominada "Con mis hijos no te metas" y también en manifestaciones multitudinarias del año pasado han ignorado los encuentros, enfadando  a las multitudes que acuden. "¿Dónde están en vivo los canales de televisión?, esta marcha es más importante que los robos de Odebecht (empresa acusada de pagar sobornos a políticos)", finalizó.


RL

Doutrina – 266

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA

Compêndio


PRIMEIRA PARTE: A PROFISSÃO DA FÉ

SEGUNDA SECÇÃO: A PROFISSÃO DA FÉ CRISTÃ

CAPÍTULO PRIMEIRO CREIO EM DEUS PAI

OS SÍMBOLOS DA FÉ

45. O mistério da Santíssima Trindade pode ser conhecido só pela razão humana?

Deus deixou alguns traços do seu ser trinitário na criação e no Antigo Testamento, mas a intimidade do seu Ser como Trindade Santa constitui um mistério inacessível à razão humana sozinha, e mesmo à fé de Israel, antes da Encarnação do Filho de Deus e do envio do Espírito Santo. Tal mistério foi revelado por Jesus Cristo e é a fonte de todos os outros mistérios.



Leitura espiritual

A Cidade Deus
A CIDADE DE DEUS


Vol. 2

LIVRO X

CAPÍTULO IX

Segundo os testemunhos divinos, que pensar da
criação dos anjos?

E agora — já que empreendi falar da origem da Cidade Santa, e, em primeiro lugar, do que toca aos santos anjos que dela formam um a  parte considerável e tanto mais feliz quanto ela jamais foi peregrina — vou, com a ajuda de Deus e na medida em que me parecer necessário, explicar os testemunhos divinos referentes ao assunto.

Quando falam da criação do Mundo as Sagradas Escrituras não referem claramente se os anjos foram criados, nem por que ordem. Mas, se não foram esquecidos, é a palavra Céu, na passagem em que está escrito

no princípio fez Deus o Céu e a Terra [i],

ou antes a luz, de que acabo de falar, que os designa. Aliás, eu não creio que eles tenham sido omitidos porque, está escrito, no sétimo dia Deus descansou de todos os seus trabalhos. Mas o livro começa assim: 

No princípio fez Deus o Céu e a Terra,

de maneira que, parece, Deus mais nada fez antes do Céu e da Terra. Se, então, começou pelo Céu e pela Terra; se a Terra, a primeira coisa- que fez, era, como a seguir refere a Escritura, invisível e desorganizada; se, por falta de luz, as trevas se estendiam sobre o abismo, isto é, sobre a confusão da massa indistinta de terra e água (porque sem não pode haver senão trevas); se, finalmente, foram criadas e organizadas todas as coisas que se descrevem como acabadas em seis dias — com o é que os anjos iam ser omitidos entre as obras de Deus que descansou ao sétimo dia?

Não há dúvida de que os anjos são obra de Deus. Embora isso não esteja claramente expresso, não foi, porém, omitido. Testemunha-o com toda a clareza, noutro lugar, a Escritura Sagrada. No hino dos três homens na fornalha, depois de ter dito:  

Todas as obras do Senhor bendizei ao Senhor [ii],

nomeia também os anjos entre as suas obras — e canta-se no Salmo:

Louvai ao Senhor no alto dos céus louvai-o nas alturas; Louvai-os, vós, todos os seus anjos louvai-o todas as suas Virtudes; Louvai-o, Sol e Lua louvai-o, luz e todas as estrelas; Louvai-o, vós, céus dos céus, e as águas que estão acima dos céus louvem o nome do Senhor; Porque ele falou e as coisas se fizeram; Ele ordenou e as coisas foram criadas [iii].

Ainda aqui o declara abertamente a palavra divina: os anjos foram feitos por Deus pois que, depois de os ter nomeado entre as outras realidades celestes, a todos encerra nestas palavras:

Ele falou e as coisas se fizeram [iv].

Quem ousará, então, sustentar que os anjos foram feitos depois de todas as obras enumeradas no decurso dos seis dias? Mas se alguém chegar a este ponto de insensatez, tão vã opinião ficará refutada pela autoridade da mesma Escritura onde Deus diz:

Quando os astros foram feitos, todos os meus anjos me louvaram com a sua poderosa voz [v].

Portanto, os anjos já existiam quando foram criados os astros. Ora estes foram-no ao quarto dia. Diremos, então, que foram criados ao terceiro? Claro que não. Sabemos muito bem o que nesse dia foi feito: a terra foi separada das águas, cada um destes elementos recebeu as espécies que lhes convinham e a terra produziu tudo o que nela cria raízes. Seria, porventura, no segundo? Também não. Nesse dia foi feito o firmamento entre as águas do alto e de baixo, dando-se-lhe o nome de Céu; e no firmamento foram criados os astros ao quarto dia. E, pois, claro que se eles se encontram entre as obras que Deus fez em seis dias, os anjos são essa luz que recebeu o nome de dia; e foi para marcar a unidade que se não disse o primeiro dia, mas sim um dia. Porque o segundo, o terceiro e os seguintes não são outros, mas o mesmo dia único repetido para constituir o número seis ou sete, em vista de um conhecimento senário ou septenário — o senário relativo às obras que Deus fez e o septenário relativo ao repouso de Deus.

Quando, relam ente, Deus disse:
Faça-se a luz e a luz fez-se [vi]

— se é justo ver nesta luz a criação dos anjos, é porque certamente eles foram feitos participantes da luz eterna que é a sabedoria imutável do próprio Deus por quem tudo foi feito e a quem chamam os o Filho único de Deus. Assim, eles foram iluminados por esta luz que os criou e desde então eles tornaram-se luz e chamaram-se dia por causa da sua participação na luz e dia imutável que é o Verbo de Deus por quem eles e todas as coisas foram criadas. Porque

a verdadeira luz que ilumina todo o homem que vem a
este mundo
[vii]

ilumina também todo o anjo puro para que seja luz não em si próprio, mas em Deus. E se o anjo se afasta de Deus, torna-se impuro, com o são todos os espíritos chamados impuros que já não são luz no Senhor, mas eles próprios trevas, privados da participação da eterna luz. O mal, com efeito, não é um a natureza: a perda do bem é que recebe
o nome do mal.


CAPÍTULO X

Trindade simples e imutável de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo que são um só Deus, em quem as qualidades outra
coisa não são que a substância.

Não há, pois, senão um bem simples e, consequentemente, senão um bem imutável — Deus. E este bem criou todos os bens que, não sendo simples, são, portanto, mutáveis. Digo, precisamente, criou, isto é, fez, e não gerou. É que o que é gerado de um ser simples é simples como ele e é o mesmo que aquele que o gerou. A estes dois seres chamamos Pai e Filho e um e outro com o seu Santo Espírito são um só Deus. A este Espírito do Pai e do Filho se chama nas Sagradas Escrituras Espírito Santo por uma espécie de apropriação deste nome. E, porém, distinto do Pai e do Filho, pois não é nem o Pai nem o Filho. Disse que é distinto mas não outra coisa, porque também Ele é igualmente simples, igualmente imutável e coeterno. E esta Trindade é um só Deus e não deixa de ser simples por ser Trindade. Não dizemos que esta natureza do bem é simples porque nela está só o Pai, só o Filho, só o Espírito Santo;

ou ainda porque a Trindade é apenas um ser sem nenhuma subsistência de Pessoas, com o julgaram os herejes sabelianos mas chama-se simples porque o que ela tem isso é salvo que cada pessoa se diz pessoa em relação a cada um a das outras duas. Pois, com certeza que o Pai tem um Filho mas não é o Filho; o Filho tem um Pai mas não é o Pai. Assim, pois, considerado em si mesmo e não em relação com o outro, Deus é o que tem: com o se diz vivo em relação a si mesmo porque tem evidentemente a vida e essa vida é Ele próprio.

É por isso que se chama simples a natureza que nada tem que possa perder; ou é simples a natureza em que aquele que tem se identifica com aquilo que tem. Assim, o vaso tem o licor, o corpo a cor, o ar a luz ou o calor, a alma a sabedoria. Mas nenhum a destas coisas é o que tem. Nem o vaso é o licor, nem o corpo é a cor, nem o ar é a luz ou o calor, nem a alma é a sabedoria. Por conseguinte, podem ser privados das coisas que têm: podem mudar e podem transformar-se em outras disposições ou qualidades: o vaso pode ficar vazio do líquido de que estava cheio, o corpo pode perder a cor, o ar pode escurecer ou arrefecer, a alma pode tresloucar-se. Embora o corpo seja, após a ressurreição, incorruptível, com o foi prometido aos santos, mantendo, na verdade, a qualidade duma inamissível incorruptibilidade — o certo é que, mantendo-se a substância corporal, o corpo e a incorruptibilidade não são a mesma coisa.

Na realidade, a incorruptibilidade está toda em cada uma das partes do corpo — nem maior aqui, nem menor ali —, porque nenhum a parte é mais incorruptível do que a outra. Na verdade, o corpo é maior no todo do que a parte; e se um a parte é maior e a outra é menor, nem por isso a maior é mais incorruptível. Uma coisa é o corpo que, em si, não está todo inteiro em qualquer das suas partes, outra coisa a incorruptibilidade que em qualquer das partes está inteiram ente. Porque toda a parte incorruptível do corpo, ainda que desigual às demais, e igualmente incorruptível. O dedo, por exemplo, é mais pequeno do que a mão toda. Todavia, a mão não é mais incorruptível do que o dedo. Embora sejam desiguais a mão e o dedo, é, todavia, igual a incorruptibilidade da mão e do dedo. Por isso, embora a incorruptibilidade seja inseparável de um corpo incorruptível, uma coisa é a substância que o faz chamar corpo, outra é a qualidade que o faz chamar incorruptível. E, por isso, mesmo nesse estado, ele não é o que tem. A própria alma, mesmo que fosse sempre sábia — com o quando for libertada para a eternidade — será sábia pela participação da imutável sabedoria que não é ela pró­pria. Pelo facto de, na realidade, o ar se não ver quando privado da luz que o penetra, nem por isso se poderá negar que um a coisa é o ar e outra a luz que o ilumina. Com isto não pretendo dizer que a alma é um a espécie de ar, como pretenderam alguns, incapazes de conceber uma natureza incorpórea. A alma e o ar, todavia, apesar da sua grande diferença, têm uma certa semelhança e é permitido dizer que a alma incorpórea é iluminada pela luz incorpórea da Sabedoria simples de Deus, com o o ar corporal é iluminado pela luz corporal. E com o o ar privado da luz escurece (porque o que chamamos trevas, seja em que lugar corporal for, nada mais é do que o ar privado de luz), assim obscurece a alma privada da luz da Sabedoria.

Portanto, nesta ordem de ideias, chamam-se simples as perfeições que, por excelência e na verdade, constituem a natureza divina: porque nelas não é a substância uma coisa e a qualidade outra coisa — nem é pela participação em qualquer outra coisa que elas são a divindade, a sabedoria ou a beatitude. É certo que nas Sagradas Escrituras se diz múltiplo o Espírito de Sabedoria — mas isso é porque Ele encerra em si muitas coisas: mas Ele é o que tem e tudo o que tem é apenas Ele. A Sabedoria não é múltipla mas una, e nela existem tesouros infinitos — para ela finitos — de coisas inteligíveis contendo todas as razões invisíveis e imutáveis dos seres, mesmo visíveis e mutáveis que por ela foram feitos. Porque Deus nada fez sem disso Se aperceber — o que, na verdade, de nenhum artífice humano se pode dizer. Mas se tudo fez conscientemente Ele não fez, evidentemente, senão o que já antes tinha conhecido. Daí ocorrer ao nosso espírito algo de maravilhoso, mas realmente verdadeiro: para nós este M undo não poderia ser conhecido se não existisse — mas para Deus, se não fosse conhecido, não poderia existir.


(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)





[i] Gen., I, 1.
[ii] Daniel III, 57,
[iii] Salmo CXLVIII,1-3.
[iv] Ibid.
[v] Job. XXXVIII, 7.
[vi] Gen I, 2.
[vii] Jo I, 6.

Temas para meditar - 699

Raiz de todos os males

Só se ama quem se conhece; por isso, muitos cristãos dedicam mais, todos os dias, uns minutos a ler e a meditar o Santo Evangelho, que nos conduz como que pela mão ao conhecimento e à contemplação de Jesus Cristo. (…)

O grande inimigo de Deus no mundo é a ignorância, «que é causa e como que a raiz de todos os males que envenenam os povos e perturbam muitas almas» 


São joão xxiii, Encíclica Ad Petrum cathedram, 1959.06.29)



As almas santas têm que ser felizes

Contava-te que até pessoas que não receberam o baptismo, me disseram comovidas: "É verdade, eu compreendo que as almas santas têm que ser felizes, porque olham os acontecimentos com uma visão que está por cima das coisas da terra, porque vêem as coisas com olhos de eternidade". – Oxalá não te falte esta visão! – acrescentei depois –, para que sejas consequente com o tratamento de predilecção que recebeste da Trindade. (Forja, 1017)


Asseguro-te que, se nós, os filhos de Deus, quisermos, contribuiremos poderosamente para iluminar o trabalho e a vida dos homens, com o resplendor divino – eterno! – que o Senhor quis depositar nas nossas almas.
– Mas "quem diz que mora em Jesus, deve seguir o caminho que Ele seguiu", como ensina S. João: caminho que conduz sempre à glória, passando – sempre também – através do sacrifício. (Forja, 1018)


– Meu Senhor Jesus: faz com que sinta, que secunde de tal modo a tua graça, que esvazie o meu coração..., para que o enchas Tu, meu Amigo, meu Irmão, meu Rei, meu Deus, meu Amor! (Forja, 913)

Evangelho comentário

Semana Santa


Evangelho: Jo 13, 21-33. 36-38

Naquele tempo, estando Jesus à mesa com os discípulos, sentiu-Se intimamente perturbado e declarou: «Em verdade, em verdade vos digo: Um de vós Me entregará». Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saberem de quem falava. Um dos discípulos, o predilecto de Jesus, estava à mesa, mesmo a seu lado. Simão Pedro fez-lhe sinal e disse: «Pergunta-Lhe a quem Se refere». Ele inclinou-Se sobre o peito de Jesus e perguntou Lhe: «Quem é, Senhor?» Jesus respondeu: «É aquele a quem vou dar este bocado de pão molhado». E, molhando o pão, deu-o a Judas Iscariotes, filho de Simão. Naquele momento, depois de engolir o pão, Satanás entrou nele. Disse- lhe Jesus: «O que tens a fazer, fá-lo depressa». Mas nenhum dos que estavam à mesa compreendeu porque lhe disse tal coisa. Como Judas era quem tinha a bolsa comum, alguns pensavam que Jesus lhe tinha dito: «Vai comprar o que precisamos para a festa»; ou então, que desse alguma esmola aos pobres. Judas recebeu o bocado de pão e saiu imediatamente. Era noite. Depois de ele sair, Jesus disse: «Agora foi glorificado o Filho do homem e Deus foi glorificado n’Ele. Se Deus foi glorificado n’Ele, também Deus O glorificará em Si mesmo e glorificá l’O-á sem demora. Meus filhos, é por pouco tempo que ainda estou convosco. Haveis de procurar-Me e, assim como disse aos judeus, também agora vos digo: não podeis ir para onde Eu vou». Perguntou-Lhe Simão Pedro: «Para onde vais, Senhor?». Jesus respondeu: «Para onde Eu vou, não podes tu seguir-Me por agora; seguir-Me-ás depois». Disse-Lhe Pedro: «Senhor, por que motivo não posso seguir-Te agora? Eu darei a vida por Ti». Disse-Lhe Jesus: «Darás a vida por Mim? Em verdade, em verdade te digo: Não cantará o galo, sem que Me tenhas negado três vezes».

Comentário:

São João narra com expressivo dramatismo estes momentos da Última Ceia.

Sim, deve ter sido algo tão intenso e triste ao mesmo tempo que terá ficado gravado para todo o sempre no seu espírito.

Mais que a própria traição de Judas, enfatiza a insegurança dos outros dez que duvidam de si próprios e da sua fidelidade ao Mestre.

Impressiona constatar a humildade com que desejam que constem estas suas fraquezas e debilidades para que, os que ao longo dos tempos lerem estas linhas, tenham a percepção de que eram homens simples, talvez rudes e pouco esclare­cidos, mas que, acima de tudo, amavam Jesus com entranhado amor que resistirá a tudo, à incredulidade de Tomé, às negações de Pedro, às dúvidas de Filipe.


Não temos, portanto, que procurar "desculpas" nas nossas fraquezas para não seguir o Senhor.


(ama, comentário sobre Jo 13, 21-23. 36-38, 2016.03.22)

Epístolas de São Paulo – 42

2ª Epístola de São Paulo aos Coríntios

I. DEFESA DO APÓSTOLO (1,12-7,16)

Capítulo 7

1De posse destas promessas, caríssimos, purifiquemo-nos de toda a mácula da carne e do espírito, completando a obra da nossa santificação no temor de Deus. 2Dai-nos um lugar nos vossos corações. Não causámos dano a ninguém, não defraudámos ninguém, não explorámos ninguém. 3Não digo isto para vos condenar, pois já vos disse que estais no nosso coração para a vida e para a morte. 4Tenho muita confiança em vós e de vós muito me orgulho. Estou cheio de consolação e transbordo de alegria no meio de todas as nossas tribulações.

Alegria de Paulo pelas boas notícias

5Com efeito, chegados à Macedónia, não tivemos qualquer sossego, mas sofremos toda a espécie de tribulação: lutas, por fora; temores, por dentro. 6Deus, porém, que consola os humildes, consolou-nos com a chegada de Tito, 7e não só com a sua chegada, mas também com a consolação que ele tinha recebido de vós. Contou-nos ele o vosso vivo desejo, a vossa aflição, a vossa solicitude por mim, de modo que ainda mais me regozijei. 8Sim, se vos causei tristeza com a minha carta, não me arrependo. E se então me arrependi - pois vejo que essa carta vos entristeceu, embora por pouco tempo - 9agora alegro-me, não por vos ter entristecido, mas por essa tristeza vos ter levado ao arrependimento. Com efeito, a vossa tristeza foi segundo Deus e assim não sofrestes nenhum dano da nossa parte. 10Porque a tristeza, segundo Deus, produz um arrependimento que leva à salvação e não dá lugar ao remorso, enquanto a tristeza do mundo produz a morte. 11Vede antes o que essa mesma tristeza segundo Deus produziu em vós: quanta solicitude, e até quantas desculpas; quanta indignação e quanto temor; que vivo desejo, que zelo, que punição! De qualquer modo, mostrastes que estáveis inocentes neste caso. 12Portanto, se vos escrevi, não foi por causa daquele que cometeu a ofensa, nem por causa do ofendido, mas para que a vossa solicitude por nós se tornasse patente a vós, diante de Deus. 13Foi por isso que ficámos consolados. Mas, além desta consolação, ainda mais nos alegrámos pela alegria de Tito, pois o seu espírito ficou tranquilizado a respeito de todos vós. 14Se diante dele me gloriei um pouco de vós, não tive de que me envergonhar; mas como em tudo vos temos falado com verdade, também o louvor que de vós fizemos a Tito resultou verdadeiro. 15A sua afeição por vós aumenta ainda mais, ao lembrar-se da obediência de todos vós, e de como o acolhestes com temor e reverência. 16Alegro-me de poder, em tudo, contar convosco.

Pequena agenda do cristão

TeRÇa-Feira


(Coisas muito simples, curtas, objectivas)









Propósito:
Aplicação no trabalho.

Senhor, ajuda-me a fazer o que devo, quando devo, empenhando-me em fazê-lo bem feito para to poder oferecer.

Lembrar-me:

Os que estão sem trabalho.

Senhor, lembra-te de tantos e tantas que procuram trabalho e não o encontram, provê às suas necessidades, dá-lhes esperança e confiança.

Pequeno exame:

Cumpri o propósito que me propus ontem?


 Oração:

Meu Senhor e meu Deus, tira-me tudo o que me afaste de Ti.
Meu Senhor e meu Deus, dá-me tudo o que me aproxime de Ti.
Meu Senhor e meu Deus, desapega-me de mim mesmo, para que eu me dê todo a ti.
Eu sei que podeis tudo e que, para Vós, nenhum projecto é impossível.